quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

A guerra de Hart

Sou fã do Bruce Willis. Devo confessar que eu nem presto ateção no nome ou no tema do filme quando vou à locadora de vídeos. Tem o Bruce Willis?? Eu levo. Na última semana fui até a locadora e vi um filme com o Bruce, nem parei pra ler a sinopse, li o título: 'A guerra de Hart' , não conhecia, portanto nunca tinha visto, levei pra casa.

Há dois dias atrás resolvi assistir. Li a sinopse: 2° Guerra Mundial, campos de concentração, Capitão McNamara (Bruce Willis)... Fiquei com um pé atrás: lá vem mais um filme em que os alemães são os vilões, torturando e matando todo mundo e, depois, se rendendo. Enquanto tudo isso acontece, os Estados Unidos lutam incessantemente para salvar pessoas inocentes das mãos dos alemães...
Bem, eu amo a Alemanha e os alemães, não gosto de ver esses filmes em que de 2° guerra em que os alemães são sempre os maus. Tá certo, eu sei que não foi certo o que eles fizeram e tal, mas duas coisas:

1°: Nem todos os alemães eram assim, nem todos concordavam com a guerra, mas não podiam dizer nada se não eram mortos. Havia alemães bonzinhos (assistam 'O pianista') apesar dos EUA nunca mostrar isso.
2°: Já tem mil filmes sobre isso, não tem outro assunto não??

Mas vamos voltar ao filme. O Capitão McNamara (Bruce Willis) está em um campo de concentração, junto com outros soldados norte-americanos, entre eles o Tenente Hart (Colin Farrel). Até a metade do filme eu fiquei pensando 'Bah, justo eu fui encontrar o pior filme do Bruce Willis!', mas percebi que estava enganada. No começo o filme é meio devagar, mas depois a gente percebe que tudo o que foi dito no ínicio era importante.

Um conselho: não julgue o filme pelo que está escrito na sinopse, não tem nada a ver com o filme. A história é mais ou menos a seguinte: o Capitão McNamara dá ordens ao Tenente Hart para que ele seja o advogado do Tentente Scott, que é acusado de assassinar um Sargento por vingança e vai passar por um julgamento no próprio campo de concentração. Hart sabe que Scott é inocente e faz o possível para inocentá-lo, o que não vai ser fácil. Antes mesmo do julgamento começar, o próprio Scott diz que o julgamento já tem um resultado e que ele será condenado mesmo sendo inocente. Hart enfreta o próprio McNamara, que será o juiz e que tem seus próprios planos. A questão geral do filme é o racismo, já que o Tenente Scott é negro e a grande maioria dos soldados não admite conviver com ele.
Isso aí, o filme que eu pensava ser mais um que falava sobre a maldade dos alemães, na verdade é uma crítica aos próprios americanos, que, além de serem racistas, pensam mais no próprio umbigo do que nos outros. O filme é ótimo e eu recomendo pra essas férias, espero que gostem.
Até um dia...

Um comentário:

Anônimo disse...

bom comeco