quinta-feira, 7 de maio de 2009

Amigas de infância

Acho que no mundo, em certo sentido, antissocial em que vivemos, eu não sou a única que posso dizer que não tenho uma verdadeira amiga de infância, aquela com que me criei junto e que é quase uma irmã. Não, não tive uma amiga de infância nesses moldes. Mas ela é o mais próximo disso que tenho.

Quando entrei na escola, com 6 anos, fomos logo apresentadas, afinal nossas mães se conheciam e nossas irmãs eram amigas. Só agora percebo o quanto fomos inseperáveis. Quer dizer, quando o nosso grupo de amigas se dividia, ficavamos sempre juntas e quando achávamos algo em injusto, inevitavelmente, dois duas reclamavamos juntas, como na história da biblioteca, que vou contar agora.

Acho que devíamos estar na 3ª ou 4ª série. A bibliotecária queria que, naquela semana, pegassemos uma revista, para variar o tipo de leitura e tal, mas nós duas, teimosas que somos, queriamos pegar um gibi ou um livro, não lembro bem, e batemos o pé, reclamamos e reclamamos e reclamamos. Não lembro bem ao certo o desfecho dessa adorável história, mas acho que saimos vencedoras.
Além disso o 'preconceito' que sofríamos nos unia também. Digo preconceito, mas talvez seja uma palavra exagerada, a questão é que se íamos bem em uma prova, se acertávamos uma pergunta difícil, se a professora nos chamava para fazer algo ou por outra coisa qualquer muitos dos nossos colegas diziam 'Ah, é porque é filha de professora'. Isso, lembro bem, nos irritava. Quer dizer, sempre fomos muito independentes nesse sentido, fazíamos as coisas por nós mesmas, pelo menos digo por mim, que raramente pedia ajuda de meus pais nos temas. E, devo acrescentar, tal 'preconceito' só sofri lá mesmo, ou melhor, nos outros colégios (o que eu terminei o fundamental e o atual) vez ou outra ouvia 'Ah, tu é filha de professora, aí é fácil', mas não uma coisa insistente como era lá no meu primeiro colégio.
Pois é, até a 4ª série fomos grandes amigas, tinhamos muitas opiniões em comum (adorávamos futebol, apesar de na época eu não admitir muito, por uma implicação paterna 'Guria não tem que se meter com futebol. Isso é coisa de gurizada.') e atitudes parecidas. Mas então, na 5ª série, troquei de escola. Perdemos o contato. Alguns anos depois, quando eu estava na 8ª e comecei o inglês, encontrei com ela no curso, mas a conversa nunca ia muito além de 'Oi, como é que tá? E a tua mãe? E o resto da família?'.
Convidei ela pra minha festa de 15 e ela me convidou pra dela, ou melhor, convidei a família dela e ela a minha. Mas não éramos mais grandes amigas, não sabiamos mais quase nada uma da outra, mas no fundo nunca deixamos de ser amigas. Prova disso é que há um mês atrás, ou talvez mais, resolvi, não sei porquê, dar uma olhada no perfil dela e encontrei o link de um blog. O dela. Começou-se uma troca de comentários e, bem talvez seja exagero ou maluquice da minha parte, mas tive a impressão de que não ficamos tantos anos assim sem nos falar... Tive a impressão de voltar anos atrás e mil e uma recordações surgiram na minha cabeça...
Então, tudo que tenho a te dizer hoje, Bia, é que tu sempre será uma amiga única pra mim e que, sempre que tu precisar, pode contar comigo. Ah sim, feliz niver!

5 comentários:

Bianca Peruchin disse...

ANA, TU É INACREDITÁVEL. É sério, eu só não tô chorando agora porque hoje é um dia feliz, e não triste. Nossa, nossas lembranças juntas, todas emergiram na minha mente agora.
Nossas risadas, nossas brincadeiras, nossas discussões, nossas brigas com professores, e as nossas brigas também (que sempre foram vencidas).
Caramba, eu nem mereço isso! Tu me surpreendeu totalmente.
Me fez lembrar do preconceito que a gente sofria, e como bem tu disse, era injusto, pois sempre fizemos tudo por nós mesmas. Devo completar dizendo que depois de sair do Ramiro, nunca ninguém sequer citou meus pais em alguma nota minha.
Amigas de infância sim, sempre que lembro de uma amiga de infância, tu é sempre a primeira que me vem no pensamento, e acredite, é a mais pura verdade. Nós podemos ter perdido o contato, mas nossa amizade nunca deixou de ser verdadeira e valiosa. E nunca é tarde pra gente tentar reestabelecer aquele contato de antigamente, que era tão bom! Uma ia na casa da outra, passava um tempão brincando e conversando! Eu ainda tenho aquelas fotos que nós estamos horríveis com uns 3 ou 4 anos. Ahh, como a vida nos traz boas surpresas. Obrigada Ana, obrigada por tudo, por ser minha amiga, por eu poder contar com você quando eu precisar, e, por último, por este post emocionante!
Eu já tô sem palavras (depois de escreve tanto, rsrsrs,) mas saiba que eu sempre vou estar aqui, quando tu precisar de qualquer coisa, de um conselho, de um ombro amigo, pode contar comigo também!

Te adoro MUITO, Ana. Beijão =**

Erica Ferro disse...

*-------*

Que lindo isso!

[Eu queria muito ver essas fotos de vocês pequenas... haha!]

Parabéns, Biaaaa!

:***

Mayra disse...

Fiquei com os olhos afogados em lágrimas. Lembrei de minha amiga-irmã-gêmea-de-criação Janira. Sim, tenho uma amiga de infância, estudei com ela da 1ª série até o 3º ano. Conheço-a há mais de 20 anos (temos 30, nascemos no mesmo ano e mês, mas com 15 dias de diferença, eu 08/11 e ela 23/11). Me conforta muito saber que consegui construir uma amizade assim. Acho que tivemos algumas virgulas, mas nunca um ponto final. E não teremos! Passamos por coisas boas e ruins, brincamos muito, fomos pra muitas festas... nossa quaaanta história. Lindo o post, e lindo comentário de Ana.
Bjão e voltarei!!

Jenny disse...

Caramba, amizades são tão importantes, pena que no corre-corre do dia a dia isso se perde :(

bjs

Alynne disse...

to ate com uma pontadinha de inveja..
nunk tive uma amiiiga de infancia... mais pensando bem eu conheci um grande amiga qnd eu fazia o 3º periodo... eramos tao pequeninhas...ai estudamos juntas de novo na 6ª, 7ª e 8ª serie juntas.. ele é uma pessoa marvilhosa, é o que eu tenho mais proxima de uma amiga de infancia.. mais sem ser de infancia[/tamaispraaborrecente eu conhco a Thaisa a qse 10 anos ela mora na msm rua q eu, e somos praticamnte irmas.. adoro ela...

ps: a ana.. t adorando o teu blog...