sábado, 23 de maio de 2009

O que uma pessoa não faz pra economizar uma mísera passagem de ônibus?

Saí de casa cerca de 13:45. Às 13:50 eu estava na parada de ônibus. Havia, estranhamente, um mendigo lá. Estranhei. Não fiquei muito perto, porque sabe-se lá, o cara tinha uma cara de maluco (não por ser endigo que digo isso, ok? Não é preconceito, ele tinha mesmo cara de maluco). Aos poucos chegaram outros pessoas. Um ônibus passou (e eu não peguei porque não era o que eu queria) e o mendigo não subiu com o resto da multidão. Não me preocupei, ele parecia inofensivo, só que tinha cara de maluco. Passou outro ônibus, também não era o meu, e o mendigo subiu. Fiquei ali sozinha, e o ônibus que eu queria (e que normalmente não demora muito pra passar, já que passa de 15 em 15min) não passava, na certa cheguei na parada de ônibus logo depois de um do mesmo intinerário ter passado, e os outros ônibus (que sempre demoram pra vir) vinham um atrás do outro.
Finalmente o meu chegou. 14h. Entrei no ônibus, mas não passei a catraca, ia passar só na hora de descer, caso contrário minha tática de economia não daria certo. O ônibus que eu peguei era integração, ou seja, se eu pega-se outro ônibus dentro de 1h após ter passado a catraca, eu pagaria apenas uma passagem. A ideia era essa: fazer tudo que eu tinha que fazer no centro e pagar apenas 1 passagem pra ir e voltar (em terra de gringo as coisas funcionam assim...). sendo assim, quanto mais eu demorasse pra passar a catraca, mais tempo eu teria.
No caminho de ida, enquanto havia troca de motorista e cobrador do ônibus, eu repassava mentalmente o meu caminho, não queria ir e vir a todo tempo e perder tempo. Repassei, mentalmente, o que tinha que fazer pra não esquecer de nada: biblioteca pública (pegar tal livro), livraria (aquilo pra aula e mais aquilo pra mãe) e ir até tal lugar pra recadastrar o cartão de ônibus estudantil, pra pagar meia passagem, (nada de citar nome de empresa...), o que, provavelmente seria o lugar em que eu mais demoraria. Numa das paradas de ônibus, curiosamente, reparei numa velha casa na avenida. Ela tinha a aperência abandonada, o portão estava entreaberto, as janelas fechadas e a placa com o número da casa (1400 e alguma coisa) estava ainda pendurado na parede por apenas um parafuso, prego ou seja lá o que mantinha aquele número no lugar. Mais adiante, vi o mendigo numa das paradas, parecia continuar a falar sozinho (ah, esqueci de comentar isso antes, ele estava falando sozinho na parada, não dava pra entender muita coisa, mas uma hora ele falou um pouco mais alto e pude entender que ele estava xingando alguém ou todo mundo, sabe-se lá).
14:15. Passei a catraca uma parada antes da que eu ia descer (na Praça). Fui até a biblioteca, e, em vez de demorar os normais 5min, demorou o triplo porque a mulher tinha que renovar não sei o quê porque fazia uns meses que não pegava livro naquela sessão. 14:33, eu saia da livraria (não esqueci nada, por isso foi rápido). E então fui pro lugar mais demorado. Tirei tudo que achava que tinha uma possibilidade de trancar a porta giratória anti-metal. Não trancou, menos mal. Peguei minhas coisas, e fui atrás da senha pra recadastramento: 975. Fiquei um pouco preocupada com o alto número da senha, mas olhando no painel vi que estavam no 954, o processo era relativamente rápido (se não tivesse nenhuma daquelas criaturas que tem mania de trancar tudo que é fila) e haviam 4 atendentes. Achei uma cadeira vazia e peguei meu livro pra ler. Até 30 min de espera e eu teria chance de completar o meu maravilhoso plano econômico.
14:55. Senha chamada: 975. Fui até o atendente indicado. Tirei a bendita foto pro novo cartão. Minutos depois vi o resultado. Horrível, como sempre. Sinceramente, as fotos do cartão de ônibus são sempre ruins (que nem as 3x4), e não sou só eu que digo isso. O pior é que eles tão melhorando a qualidade da impressão, então tá cada vez ficando mais visível a horripilariedade das fotos, inclusive a minha. 15:05. Parada de ônibus. 15:10. Passo a catraca do primeiro ônibus que vem pro lado da minha casa. 'Integração escolar', mostra o visor da catraca. Ida e volta com uma única passagem, uma passagem economizada, mesmo que eu pague apenas meia passagem, não importa, economizei uma passagem (sim, sim, eu tenho um pouco de sangue italiando... Aliás, quem, em Caxias do Sul, não tem um pouco de sangue italiano?), missão cumprida!

4 comentários:

Erica Ferro disse...

Que livro tu pegaste na biblioteca? Queria ver teu cartão de ônibus. =P

P.s: É tão bom ler as coisas que tu escreves, mesmo sendo essas coisas (consideradas simples e, muitas vezes, sem importância).

Beijo, Ana.

Rúbia Ness disse...

Cara! morri rindo aqui! ta muito bom, como vc consegue transformar uma coisa tão banal em algo tão divertido? Incrível.
Já tentei fazer isso do ônibus, mas quando passei no ônibus de volta tinha passado um minuto, acredita? um minuto! Falando assim parece história mas é verdade, mesmo assim ri muito.

Marcus disse...

meia passagem jah da pra toma um sorvete!
kkk

Mr. Blue disse...

ahahahhahaha ótimo post! Tudo bem, eu também faço isso pra economizar aki em sampa, ah e eu tbm tenho sangue italiano!

E quanto aos mendigos, estudar na avenida paulista tem suas vantagens (pois a desvantagem maior é ser a mais ou menos 1 hora da minha casa ¬¬, isso quando o trânsito nesta cidadela caótica não está fervendo e borbulhando pra fora da panela), eu me divirto com esses figurões, é um mais engraçado que o outro que passa por lá. Pode parecer cruel isso que eu falei, mas eu vou fazer o que? É engraçado mesmo, quem não ri?