sábado, 8 de agosto de 2009

É aquele papo de fã...

Cerca de 5 anos atrás, quando estava na 7ª série, minha professora de Português marcou uma palestra do cronista e jornalista Nivaldo Pereira lá na escola. Para estarmos afiados no dia para fazer perguntas, estudamos antes as crônicas que saiam semanalmente no Jornal Pioneiro, aqui da cidade, e também o livro que, na época, se não estou enganada, ele estava lançando.
O mundo das crônicas era algo novo pra mim, nunca realmente tinha pensado na importância de uma crônica no mundo literário, mas através das crônicas de Nivaldo aprendi não só a valorizá-las mas também a adorá-las. Lembro que no dia fiquei toda pateta pensando em mil perguntas e sem muita coragem para fazê-las. Até que levantei a mão (que estava meio bamba) e fiz uma pergunta, sem muito sentido, mas fiz.
Depois da palestra fui comprar o livro, que ele autografou e tudo mais. Não lembro se falei alguma coisa pra ele, mas provavelmente não, acho que não pensava em algo racional para falar. Desde então virei fã fiel dele e de todo o mundo das crônicas. Descobri novos cronistas, tais como Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos, mas o primeiro nome que sempre me vem em mente quando o assunto é crônica é Nivaldo Pereira. Acho eu que comecei a levar mais a sério o ato de escrever textos para a aula depois da paletra dele, talvez na intenção de tentar escrever textos tão bons quanto os dele. Consequentemente, talvez o culpado indireto pela existência desse blog seja ele.
De qualquer modo, ontem postei uma crônica dele aqui no blog, pela primeira vez (e espero que não a última). Aproveitei o embalo e mandei um e-mail pra ele. Devo confessar que o que escrevia poderia ser um tanto ridículo por poder parecer aqueles papos chatos de fã e resisti à tentação de modificar tudo ou até de não enviar. Mas de qualquer modo, enviei. Torci para que ele respondesse, mas não tinha a ilusão de que ele me enviaria uma resposta gigantesca, o máximo que esperava era 'Fico feliz por isso. Muito obrigado!', ou algo do tipo. Mas recebi um pouco mais que isso.
Certo, não um pouco mais, mas muito mais. Fiquei imensamente feliz quando ele respondeu, e mais ainda quando vi que não era uma 'resposta padrão'. Poderia, com imenso prazer, reproduzir a resposta dele aqui, mas talvez pra ti, que não é a fã doida, ela não parecesse tão emocionate. Mas acho que um trecho, nem que eu quisesse, conseguiria resumir com minhas palavras, então aí está:
"Fico feliz não apenas de saber das tuas investidas literárias como também de ter espiado teu blog e ter visto como escreves bem. É verdade. Talento puro, não pare pelo amor de Deus. O dom te escolheu. Vá em frente. Curta sempre o prazer do texto, o prazer de ser simples. O leitor vai identificar esse prazer.
Fiquei lembrando que dos meus 15 aos 18 anos eu li todos os livros da Agatha Christie. Vivem dizendo que juventude não curte livros e teu blog vem mostrar o contrário. Parabéns."
Tem como acreditar nisso? Quer dizer, alguém que tu usou como modelo dizer que tu escreve bem? Acho que depois disso nunca mais vou duvidar de quem diz a mesma coisa ou que eu serei escritora ou alguma coisa parecida. Certo, certo, acho melhor parar por aqui, senão esse texto vai realmente se transformar em palavras sem sentido de uma fã. Tudo que tenho a dizer é: Obrigada, Nivaldo!

2 comentários:

rubia disse...

Annnnnnnnaaa
Amei demais!!!
Tu tem que me mandar esse email, quero muito ver!
Pelo menos agora vc vai acreditar quando eu faloo que teus escritos são bons! bejoooo, parabens!!

Erica Ferro disse...

Só porque esse Nivaldo falou, ela acredita agora que leva jeito pra escrever (hunf, eu sempre disse, e ela nem ligou...=/).
'Certo, chega de drama, Erica Ferro.'
Velho, pelo pouco que vi desse Nivaldo no texto passado, ele é muito inteligente e escreve muitooo bem.
Se possível, posta mais crônicas dele. Vou adorar ler.

Beijo, minha escritora. ;D