quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Os importantes da família

Se tu achou que essa humilde blogueira é a mais importante da família, engana-se. Cogitou a possibilidade de algum dos meus pais ter uma identidade secreta de máxima importância? Errou feio! Pra qualquer ser humano que tu tenha dado as grandes honras da família, está errado! Erradíssimo! Os mais inportantes da família Seerig caxiense? O Hércules e o Jeep!

Certo, tu, que já me acha meio louca (tenho certeza disso, não tente negar!), agora acha que eu enlouqueci de vez... Pense o que quiser, não vou me defender quando o assunto é a minha sanidade ('Eu não sou louco, o mundo é que não entende a minha lucidez.' - Raul Seixas). A questão é que, sem dúvida o Jeep ano 1963 do meu pai e o Hércules, nosso Pastor Alemão Branco, são os mais importantes da família. Por quê? Por mil e uma razões.

Primeiro de tudo, porque a importância já chegou ao grau de nós da família, meu pai especialmente, sermos reconhecidos por tê-los como referência. Na praia ou em São Marcos, por exemplo, é mais fácil encontrar meu pai dizendo 'É o João do Jeep branco' ou 'O dono do cachorro branco' do que pelo nome todo dele. Ou então as pessoas nos encontram pelo Hércules. 'Onde tu mora?' 'Lá na tal rua... Onde tem um cachorro branco...'

Mas a verdadeira razão deles serem os mais importantes da família é: sempre que sai com um deles (ou os dois) todo mundo olha com idolatração, e tenha certeza que não estão olhando pra ninguém da família! Pra ti ter uma ideia, uma vez estavamos nós 5 (toda a família) mais o Hércules, obviamente, empoleirados (sim, porque nem sem capota é possivel fazer 3 pessoas, com mais de 1,70 de altura, sentarem confortavelmente no banco de trás, imagine quando tem capota...) dentro do Jeep, em plena BR, em viagem, quando um carro ultrapassou nós e uma guria quase se jogou pela janela pra tirar uma foto do Hércules. E isso não é história inventada!

Apesar de estar cada vez mais complicado andar de Jeep pela falta de espaço (3 no banco de trás e 2 na frente mais o Hércules no meio), é totalmente inadmissível o assunto venda. Pode parecer bobagem, mas, pelo fato de estar há 20 anos na família (ou seja, antes mesmo de eu nascer) e eu e meus irmãos termos nos criado dentro dele, fazendo estripulices no Santo Antônio e nos divertindo de todos os modos possíveis quando ele estava sem capota, pode-se dizer que o Jeep é praticamente nosso irmão mais velho, ou seja, faz parte da família. Acho que idolatramos tanto ele quando pequenos que sempre o tratamos como se fosse uma pessoa. Por que o idolatrávamos? Talvez muita da nossa ilusão tenha sido incentivada pelo meu pai, mas a verdade é que sempre o consideramos quase como um super-herói: desatolava carros na estrada e lanchas na areia, passava por estradas ruins facilmente, sempre ajudava todo mundo (nós não davamos muita bola pro fato do meu pai estar dirigindo, o que importava era a força do Jeep) e nunca falhava. Obviamente, isso tudo é glória do meu pai que, de acordo com a minha mãe, passou meses embaixo do Jeep pra arrumá-lo quando comprou, e até hoje tá sempre arrumando coisinha pra arrumar e deixar o Jeep na maior perfeição.

Quanto ao Hércules, logo que veio pra casa, formou uma dupla dinâmica com o Jeep. Sempre que saimos de Jeep, o Hércules vai junto e, quando não vai, ele faz uma cara que pode fazer qualquer pessoa morrer de pena. Ele caiu uma única vez do Jeep, há anos atrás, quando tinha recém-chegado por aqui. Desde então, o Hércules é agilissimo em tudo que se refere ao Jeep. Se ameaçar tirar o Jeep da garagem, lá está o Hércules pronto pra pular dentro se abrirem a porta pra ele. É o mala-pronta. Como o Hércules tem a vida de cão mais desejável do mundo, sempre que viajamos vamos de Jeep pro excelentíssimo ir, seja pra praia ou pro campo. E em todos os lugares que ele vai tem sempre alguém novo pra ficar admirando-o ou dando-lhe ainda mais barda. Não vou negar que tem os que morrem de medo dele (porque ele, afinal de contas, é um Pastor Alemão e, como tal, grande e brabo - se necessário), mas tem alguns que, mesmo com medo, não cansam de dizer 'Que cachorro bonito!'.

E o resto da família? É só o resto da família! E, quando estão todos 'empoleirados' no Jeep, e as pessoas esquecem de olhar o Hércules ou o próprio Jeep, tenho a leve impressão de que parecemos a Família Buscapé... Mas, apesar disso e de mal cabermos no Jeep, esnobam-se todas as ofertas (às vezes, sem nem mesmo conhecê-las) para vendê-lo, afinal, além de irmão mais velho, ele é nosso herói de infância, certo?

*Não se enganem, apesar de todo o meu amor pelo Jeep, eu não entendo bulhufas de automóveis e muito menos sinto interesse por eles... E, quanto ao Hércules, é vergonhoso admitir mas, em oposição ao fato dele ser enorme, tenho medo de cachorros (exceto alguns outros com qual me habituei), sendo que no ínício tinha medo dele próprio...

4 comentários:

Pati disse...

Adorei a história :))
A minha cadela também é uma maria gasolina. É só minha mãe ligar o carro que ela já tá lá dentro. E exige ficar na janela. Essa geração canina, vou te contar viu...

Erica Ferro disse...

Eu ri com o comentário da Patrícia.
"Essa geração canina, vou te contar viu..."
Hahahahahaha!

Bom, eu achei o Hércules lindo, mas prefiro ficar o conhecendo só por foto. Tenho medo de cachorros, pode ser pequeno e tudo, mas tenho medo. É que cachorros têm dentes (sim, e daí, Erica?) e eles mordem e sai sangue e eu choro e... (enlouqueci).

É, eu tenho medo de ser mordida por um cachorro, haha.
Adorei tua historinha, Ana. :D
Eu queria um Jeep rosa com azul claro, seria lindo, hahahaha.
Eu tenho cada ideia, hein?

Beijo, Ana.

Pandora disse...

Você me fez lembrar a frase clássica da minha mãe: "Só quem sabe é quem perde!"

Mas, uma coisa vc sabe, o Hércules foi feliz com vocês e vocês foram felizes com ele e a lembrança sempre vai ficar com aquele gosto de infância, de amor, afeto e ternura porque é assim que lembro de Scoot (sim, foi inspirado em Ciclope do X-Mens rsrs)!

Tita disse...

Bem, sei que o Hércules deixou o "resto da família" com um vazio, mas deu pra ver que ele teve uma vida muito feliz, de ficar abanando o rabo eternamente!