quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Decisão

Por vezes a gente espera por um momento certo em que será exigida uma decisão. Durante o tempo de espera tomamos uma decisão que, até ser anunciada, parece ser a única com sentido. Instantantes antes tu começas a pensar que talvez não seja tão simples assim, mas aquela certeza que te dominou por tempos, dias, meses ou anos, não é esquecida e, por mais que no momento crucial pareça difícil, tu acabas por pronunciá-la tentando convencer-se que é a melhor opção, afinal esperastes por aquele momento.
Após confirmada a tua escolha, tu já começas a fraquejar, duvidar de sua própria escolha. Mas como tive certeza durante tanto tempo e agora já não tenho mais? Eis a questão que não sai da mente. Tu tentas te convencer que essa dúvida que paira sobre tua cabeça nada mais é que o medo de enfrentar uma mudança e suas consequências.
Depois de um tempo tu te tranquilizas, não está tão mal assim. Até que tu percebes que a suposta tranquilidade nada mais é do que uma tentativa. Quando tu olhas pra trás, percebes como tudo poderia ter sido diferente, como podia estar realmente tranquilo. Enxergar as pessoas rindo lá atrás faz com que tu lembres que podia entar junto delas em vez de viver rodeado de piadas idiotas com risos esnobes. Olhando lá atrás tu também percebes que, de algum modo, tu fazes falta, tu poderias ter deixado alguém mais calmo simplesmente pela tua presença, mas não, tu não estavas lá.
Com o passar do tempo tu começas a ignorar o que se passa ao teu redor. Tenta ignorar teu arrependimento, forçando a ti mesmo a perceber que nem tudo foi ruim. O fato de saber que, por mais que tu tenhas conhecido boas pessoas, aquelas a quem tu deixaste para trás, mesmo que ainda mantenham contato, jamais poderão ser substituídas, do mesmo modo que, por maior que sejas a tua dedicação, a relação com aquelas pessoas de um tempo atrás jamais voltará a ser igual.
Diante de tudo isso tu se sentes inutil e incapaz e a única coisa que te faz não voltar correndo, arrependido, para o que deixou passar, é o fato de que, se não tivesse tomado aquela decisão, jamais saberia o que teria acontecido e viveria com o arrependimento de não ter tentado.

6 comentários:

Marcelo Mayer disse...

o passado tem respostas que é melhor nem saber. traz frustrações

Erica Ferro disse...

Uma decisão sempre anula outra, daí vem a agonia e a angústia.
Por isso que eu peno tanto pra decidir algo.
É o medo do desconhecido e o medo de sair do comodismo.
Enfim, mas é preciso arriscar nessa vida.
Já dizia o ditado: "quem não arrisca, não petisca".

Enfim, é melhor errar e aprender com isso do que ter medo do erro e ficar aflito e cheio de dúvidas.

Beijo, queridona ♥.

Rubia Ness disse...

"Eu tive medo e agora eu sei que é melhor se arrepender do que se fez do que não ter tido a coragem de fazer" Agora é Tarde - Ultraje a Rigor

c'est la vie

Vini Manfio disse...

seriam tantas coisas a comentar mas

a fraqueza ante uma decisão já tomada só é sentida pelo receio natural de reconhecer um possível erro

talvez não seja erro
talvez não seja natural
talvez não seja receio

talvez seja apenas uma sensação ruim
um pensamento vago
uma incerteza inconstante e sem fundamento

lidar com isso é difícil
porque é você com você mesmo

mas quando superado isso
as coisas parecem ser mais claras ainda

Cristiano Contreiras disse...

Carissima, Ana

descobri teu universo aqui e muito gostei!

além do bom gosto, inteligencia, curi o visual e proposta do blog!

ja sou seguidor!!! abs

Jorge Oliveira disse...

São essas decisões que acabam com a gente né? rs Eu vivo me encontrando e desencontrando com as tais escolhas...
Bela reflexão!