sábado, 13 de março de 2010

Esperando o frio

Às vésperas da entrada do outono, o calor infernal que monopolizou o verão está rareando. Abre-se as cortinas de manhã e há uma leve cerração, mesmo assim não há razão pra não usar uma camiseta qualquer de manga curta, no meio do dia esquentará. Talvez o calor insistente tenha nos feito esquecer que aquele friozinho matinal não exige mangas compridas ou casaco pois é justamente o que usamos no primeiro dia em que o sol não batia na janela.
- Mas tu nem parece gaúcho, dá um friozinho e já sai com esse casaco. - Um senhor disse para um conhecido em um ônibus qualquer um dia desses.
Não, não, não são precisos casacos. Cerração de manhã, sol forte ao meio dia e uma refrescada de noite, essa é a rota do tempo nessas épocas. Pra aproveitar o sol e dispensar uso de casacos pela manhã, não há nada melhor do que 'lagartear'. Tal como os lagartos fazem, o melhor a fazer é ficar de bobeira no sol. A brisa gelada que sopra enfrenta os fortes raios de sol, resultando numa sensação ótima e inexplicável. E quanto mais frio, mais prazeroso é.
Ah, o frio. Que saudades das cobertas e dos grossos casacos de inverno, que juntamente com os cachecóis são parte do vestuário de qualquer um que saia à rua durante o forte inverno. Se não se sai, se fica em casa. Há algo melhor do que passar um domingo jogando baralho em frente à lareira e comendo pinhão? Não, não há. Ah, que saudades do inverno.
Aquela imensa vontade de ficar embaixo das cobertas em vez de levantar e encarar a manhã gelada. Sair e dar de cara com o gramado congelado pela geada. Ficar de olho no tempo na esperança que neve ao menos um pouquinho durante o inverno. Correr para fora de casa depois de uma chuva de pedras e vê-las atiradas no chão. Assistir um filme qualquer enrolado em uma coberta. Procurar em todo canto o par de luvas esquecido desde o ano seguinte. Esfregar as mãos na tentativa de aquecê-las. Divertir-se vendo a respiração tornar-se visivel por alguns instantes quando entra em contato com o ar frio. O nariz gelado. A vontade de tomar chocolate quente. Fazer o possível para ir deitar logo na cama quente e cheia de cobertas, o que torna dificil qualquer movimento, e afastar ao máximo a lembrança de que terá que levantar cedo no dia seguinte.
Ah, o frio. Depois do calor beirando os 30°C, insuportável mesmo na sombra, não há nada que eu deseje mais do que a volta do frio, esperando que a beleza de um inverno rigoroso acabe com as lembranças de tão insuportável verão.

9 comentários:

Marcelo Mayer disse...

as pessoas ficam mais bonitas, inteligentes e charmosas no frio. fato!

Allyne Araújo disse...

ahhh ana!!!!!!! me deu vontade de viajar pro sul! rsrssr muito bom o seu texto linda!!! beijao!

Allyne Araújo disse...

oi ana!!! esteja tb convidada para vim aqui conhecer o norte do Tocantins, srsrsr traga muito protetor solar e camisas de mangas curtas só. beijao!! srsr depois venha pegar o seu selo la no extase! bjos!!!!

Dayane Pereira disse...

AHH o friozinhoo! Sou uma admiradora nata do frio! O calor me irrita completamente; E no frio as pessoas são mais elegantes, se vestem melhor, não soam tb neh.

Lou disse...

oba!!! adorei o texto, muito legal mesmo! :D

Erica Ferro disse...

O inverno pode até ter seu charme e beleza, mas não... eu não sobreviveria por muito tempo no inverno gaúcho. =P

Beijo, Ana.
Muito bom te ler.

Graziela disse...

vocês aí de caxias tem muita sorte se o verão se contenta com 30º..
também estou esperando - anciosíssima - pelo inverno...

*achei teu blog por acaso, pesquisando a discografia da Graforréia, e curti!

Sabrina Silva disse...

Eu sinto falta do frio. Eu sou bem mais o frio do que o calor! Ah obrigado por comentar no meu blog ..eu queria te perguntar, como eu faço pra diminuir a letra no titulo da minha postagem, mantendo a letra da postagem, entende? Obrigada desde já. Um beijo

Sabrina Silva disse...

Não deu certo ): Continua a fonte do título grande )): Mas obrigado, mesmo assim. Beijos