segunda-feira, 10 de maio de 2010

O problema

Ontem foi Dia das Mães. Metade da blogosfera foi dedicada às mães. Mas, e daí? Não critico quem fez um texto pra sua mãe ou algo do gênero, acho até uma boa. O que eu discordo é: por que só ontem? E no resto do ano? Se eu quiser fazer um post pra minha mãe agora? Ou mês que vem? Ou não fizer? O fato de eu não escrever um post pra minha mãe no Dia das Mães afeta meu relacionamento com ela? O fato de eu não ter bajulado ela o dia todo, afeta? Não, acho que não.
A ideia desse post surgiu lá no dia 8 de março, dito Dia Internacional da Mulher, mas cuja 'comemoração' só me dei por conta no fim do dia, quando vi posts e posts a respeito, além de recados lá e cá. Ah, sim, o intuito desse post é dizer o quão ridículo acho essa história de Dia Disso e Dia Daquilo. Grande parte disso não passa de um truque capitalista para vender ou, como me disseram em 8 de março, 'não deixa de ser prova de um preconceito existente'.
De que adianta o Dia da Mulher se ainda há diferença de salários? Ou ser homenageada em tal dia, lembrança das tantas mulheres queimadas lutando por seus direitos, se no dia-a-dia não se dá o valor? Qual o valor de visitar e presentear tua mãe no segundo domingo do mês de Maio se durante todo o resto do ano tu nem lembra dela, ou a trata muito mal? O mesmo se aplica aos pais, em Agosto. E o Natal? Presentes pra quem se quer bem? Um simples abraço não serve? Por que razão dar um presente para alguém a quem tu fez sofrer no passado e com quem tu pouco se importará futuramente?
Não, nem todas as felicitações são falsas. Muitas vezes tais datas são apenas mais uma ocasião de repetir o que já foi dito outras tantas vezes. Critico quem vê tais momentos como únicos para dizer algo que, talvez, no fundo, diga apenas por se sentir forçado diante de toda a atmosfera criada em torno dessas datas. Criada, em grande parte, para não dizer totalmente, pelas propagandas vistas diariamente nas quais subtende-se que um 'Eu te amo' só poderá ser provado com um presente de valor imenso. Valor imenso? Não, desculpa, o valor não é problema, serão feitas inúmeras prestações, tu só vai gastar o preço de um cafezinho por mês. Ficar com dívidas o resto da vida? Não há problema, o importante é que tu provará todo o teu amor no dia em que se deve fazê-lo. É só uma vez por ano, qual é o problema?
O problema é que teus pais estão sempre ali e tu pouco se importa. O problema é que tu continua a ser estúpido com todas aquelas pessoas para as quais tu disse serem importantes pra ti no Natal. O problema é que tu continua, inconscientemente talvez, sendo preconceituoso com mulheres, índios, idosos e com todos mais que tem uma data pra si, até a tua sogra! O problema é que tu prefere enganar as pessoas e a ti mesmo com presentes, acreditando que eles suprirão toda a falta de real afeto que tu sabe que existe. O problema é que tu sabe que eu tô certa mas vai continuar a dizer que não é assim, mesmo que no fundo tu saiba que é. O problema é que o mundo está cheio de problemas que não serão resolvidos com uma data específica. O problema é que não há dias suficientes no mundo para marcar uma comemoração para algo que devíamos valorizar mas não valorizamos no dia-a-dia. O problema é que há problemas. O problema é que tu é um problema. O problema é que eu sou um problema. O problema é que o ser humano é um animal problemático que sempre dirá que não o é. Resumidamente, o problema somos NÓS e tudo que construímos achando que estamos resolvendo mas que, na verdade, só está complicando. O problema é que continuo a criticar e não faço nada. O problema é tu saber da existência do problema e não fazer nada. O problema é que ignoramos tudo, achando que assim não haverá problema.

5 comentários:

Allyne Araújo disse...

o problema é bem este mesmo, não é so ontem dias das maes, e nem dia da páscoa... é todos os dias.. boa reflexão esta, parabens Ana! beijão!!!!!!

Bruna disse...

eu acho legal essas datas comemorativas. vejo quase como uma salvação. várias familias só se unem nas datas comemorativas, com aquele almoço na casa da vó.
infelizmente estão cada vez mais comerciais, e o que antes era "oba! dia das mães! que tal nos reunirmos?" agora é "putz, JÁ é dia das mães, TEM QUE ir almoçar lá no fulano"
não só com o dia das mães, com todas as datas, as pessoas realmente as tratam como um problema e não como uma chance de unir o que a tempos anda cada vez mais longe.

ótima abordagem, adorei!
beijo =*

Mariana Klafke disse...

Adorei, Ana! Realmente, as datas comemorativas geralmente servem para amenizar a culpa pelo resto do ano que se foi em branco. É bom ler algo assim e lembrar disso sempre, pra tentar não fazer... Valeu!

Luna Sanchez disse...

O problema (rs) é a nossa dificuldade em dar importância ao que é importante.

;)

Beijo, Ana.

ℓυηα

Erica Ferro disse...

A Luna falou certo.
Por mais que essas datas 'criadas' pela sociedade capitalista sejam oportunistas, de algum modo, nos faz parar de correr, de viver nossas responsabilidades pra nos dedicar e VER as pessoas ao nosso redor.
De certa maneira, essas datas são uns beliscões nas nossas nádegas.

Gostei do texto! Mesmo.