sábado, 26 de março de 2011

A blogosfera morreu

Há um bom tempo que quero falar isso: a blogosfera morreu. Sim, poucos são hoje que usam os blogs de maneira natural, sem forçar, sem se desesperar. Não é fácil hoje encontrar leitores que veradeiramente leem o que tu escreve, que formam uma opinião, que não comentam simplesmente pra fazer propaganda do seu próprio blog. Caramba, como isso irrita. E não é difícil, é só um simples reciocínio: eu gostaria que viessem no meu blog apenas pra fazer propaganda do seu blog? Mas é claro que, quem faz esse tipo de coisa, não pensa nisso, aliás, nem sei se pensa em qualquer coisa. Duvida? Tais pessoas estão incluídas no meu segundo argumento pra dizer que a blogosfera morreu, que vem a seguir.
Não há mais blogs originais, ou pelo menos não se descobrem novos com tanta facilidade. Vá até o blog da pessoa que veio fazer divulgação no seu, na certa será um blog extremo. O que quero dizer com isso? Que o blog só tem um tema: lamentar-se, expor seu vício tosco em alguma bobeira ou sabe-se lá o quê. Sou completamente contra o extremismo. Extremismo é burrice, limitação de pensamento, covardia para conhecer e refletir sobre novas coisas.
Meu blog, com seus dois anos e meio, surgiu numa época em que as pessoas ainda faziam blogs pra expor suas próprias ideias, opiniões e preferências; com textos ora emocionais, ora cômicos, ora informativo; com textos que não buscavam um público, e sim apenas tomar forma, sendo publicados na busca de alguém que compartilhasse do que foi dito ou tivesse uma opinião diversa pra dar. A blogosfera era uma troca de ideias, em que tu te surpreendia ao descobrir um blogueiro com opiniões parecidas, que desse sugestões que te agradavam, que, aos poucos, acabasse por ser tido como um amigo, mesmo há quilômetros de distância. Mas, salvo os que já estão há algum tempo nesse meio, a blogosfera morreu.
Não é raro tu receber um comentário que claramente foi inspirado no título e nenhuma relação tem com o texto. Ou ir a um blog e ver que os posts são todos iguais: lamúrias, lamúrias, lamúrias. Jamais saiu ou sairá de moda aqueles seres que vem com o famoso "Oi, adorei teu blog, tô te seguindo, me segue também?". De verdade, não sei como alguém pode cair nessa. Aliás, não sei como alguém continua mandando isso. E há muitas chances de tu encontrar o mesmo comentário, da mesma pessoa, em um blog já conhecido teu. Sim, porque os blogueiros de antigamente ainda tem o hábito de visitar os blogs que gosta, pelo simples prazer da leitura, não para cobrar uma visita ou um comentário. Bons blogs recebem visitas por serem bons, então faça um blog bom e terá visitas sem precisar fazer fiasco por ai.
E aqui entra o segundo tema que há tempos quero comentar: mudança. Parece que, assim como no mundo real, mudar é difícil, mesmo com a liberdade da blogosfera, alguns não conseguem ir pra frente. Não, remoem as mesmas coisas, mesmo com aqueles que ainda se dispõe a ler e dizer: supere, é dificil, mas vá em frente. Eu entendo que no mundo real é difícil encontrar alguém em quem se confie para contar o que se sente, mas se tu usa a blogosfera pra isso, aproveite o que ela tem a te dar. Vá em frente. Teus leitores não te leem por tuas lamúrias e sim pela tua sinceridade, se eles buscam te ajudar, eles querem ver que tu os escutou, se tu continuar com as mesmas reclamações, eles simplesmente cansarão de ti.
Não me interpretem errado. A blogosfera está aí para ser usada, para fazerem-se desabafos e divulgar trabalhos próprios, mas... Repetir, repetir, repetir, é coisa de máquinas, robôs. Mudar de ideia, de visão, de gosto, não é pecado, é, provavelmente, uma forma mais madura de ver as coisas. Divulgue o teu trabalho, mas não esqueça que tu ainda é um ser humano e que tu está interagindo com outro, então nada custa agir como um, aliás, melhor divulgação será. Lamente-se sempre que quiser, às vezes é mesmo bom gritar e dizer: Hey, me olha, eu tô numa situação drástica. Mas, caramba, não faça isso tua vida inteira. Tua vida não é só porcaria, olhe as coisas boas, mude as ruins na medida do possível.
A blogosfera morreu, por isso ando sempre nos mesmos blogs. Não, não é um menosprezo aos que eu acompanho, muito antes pelo contrário: cada um dos blogueiros que eu acompanho e que me acompanham já não são mais blogueiros quaisquer, não, já fazem parte do meu dia a dia, são meus amigos, me ensinam coisas, põe em palavras o que penso, me mostram outra maneira de enxergar isso e aquilo. Ao que parece, hoje em dia não é isso que importa, apenas o número de seguidores e comentários, que podem não ter relação nenhuma com o que foi escrito, mas e daí? Número alto é sinônimo de sucesso. (?)
Demorou, mas o ser humano chegou à blogosfera.

_________________________________

Posts recentes que me fizeram criar vergonha na cara de escrever tal post e que valem ser lidos:

Sobre blogs, de Bárbara Farias
Mudanças, de Dayane Pereira

12 comentários:

Balzaquiana com 'Z' disse...

Na parte do post que eu fiz onde eu digo que a pessoa deve ler o post e não o título eu estava justamente me lembrando do momento que a gente se conheceu. Lembra?

Você fez uma postagem reclamando de uma pessoa que tinha tido a cara de pau de só ler o título e comentar a respeito. Se eu não me engano foi o post que você falava da obra O Tempo e o Vento do Érico... daí a pessoa fez um comentário super "filosófico" sobre o tempo e o vento e não sobre O TEMPO E O VENTO (livro). rs

É uma pena eu ter apenas um ano de blogosfera e ter perdido a época que ela não era esse mercado de angariar adeptos. É uma pena mesmo.

Mas como você mesma disse... ainda têm bons blogs por aí... e é neles que eu me apego. rs

BeijoZzz guria.

Rita disse...

bem Aninha, isso é verdade, e a última parte do post é mais verdade ainda: o povo se rendeu mesmo aos números...
tudo o que importa é quantidade e a essência? ao que consta o "parecer" é mesmo o mais importante...
me fizeste lembrar um texto da Belloni q trata das Novas Tecnologias da Informação e Comunicação, logo no início do livro a autora traz uma epígrafe do livro Sociedade do Espetáculo, de Guy Debord, que critica justamente o uso das mídias apenas como forma de acomodação, de uma roda viva de massa acrítca, que se comporta como um Hommer Simpson da vida sabe?

e o bom das ferramentas é justamente essa troca, interação, a hipertextualidade característica que oferece maior riqueza de debates...
E essas pessoas q fazem mershan de si mesmas, sempre aparecem né? rsrsrs
é pq acham q blog é tipo BBB rsrs
sei lá!
esse post acrescentou bastante, ainda mais q estou discutindo isso lá na facul...
acho até q vou usá-lo, posso?
bjooos!!!!

Allyne Araújo disse...

rapaz! Ana p... falando serio, sem os tais rs, eu ja acredito muito em vc e aposto alto em sua escrita, mas vendo esses teus ultimos post, rapaz! vc ta demais! por isso q dizem quem quer melhorar, quem quer se superar vai a frente, e faz coisa q os outros jamais esperariam.. na boa, começo a ja pensar na otima jornalista/profissional q vc vai se tornar (ja esta se tornando) conforme forem passados os períodos da facu. Como acadêmica eu te dou um parabens daqueles mais sinceros e verdadeiros! parabens!!!
quanto ao post de hj.. Bem, posso dizer q nao é so a blogosfera que morreu, os meios academicos tb, as pessoas na rua e nas escolas tb... Hj vc nao ve por ai assuntos mais aprofundados, teorias concretas, discussões interessantes.. o que vc tem sao especulações! do tipo descritivas q mais visam falar do que transformar a propria situação e realidade.. é por isso aninha q quando vc se afastar um pouco do mundo (tanto vitual, quanto real) tem mais capacidade de refletir e apontar coisas q nao estao certas e buscar solouçoes e mudanças para elas....
não so isso, mas tbm é isso q um universitário em formação ou ja profissional tem q aprender e saber enxergar (enxergar mesmo, porque ver e enxergar sao duas coisas completamentes diferentes!)...
bem, foi por causa dessa repetição sem fim que eu quis mudar mais os meus assuntos.. nao sei se eu sou de fato boa blogueira, mas tento.. beijoo e se cuida!!!!

Luciana Brito disse...

Concordo contigo!
É difícil encontrar blogs que realmente são legais de ler. Muita gente só posta textos de outros autores ou vivem repetindo os temas. A blogsfera já foi bem mais animada e ativa. Falo até por mim mesma, que aos poucos fui abandonando a blogsfera e hoje em dia escrevo um texto por mês e mal leio os blogs alheios.

É estranho...

Gostei da opinião.
Beijo! =)

Dama de Cinzas disse...

A Balzaquiana com Z me indicou seu texto e vim aqui conferir. Menina!!! Adorei! Você pensa exatamente como eu, e já fiz alguns posts sobre isso. Mas parece que esses posts são ainda pior interpretados e jurei não falar mais nesses assunto. Rececentemente até fiz um post sobre as pessoas lerem o título e não se preocupar em ler o resto.

Sinceramente eu amo meus blogs, preciso deles para colocar pra fora tudo que penso. Mas sinto sinceramente que pouca gente anda lando de verdade os textos, só mesmo os blogueiros mais chegados, que curtem te acompanhar. A outra parte, que chega a ser maioria, só faz comentários que não tem quase nenhuma relação com o assunto que publico. Ando realmente desanimada.

Olha! Já estou te seguindo...

Beijocas

Babizinha disse...

Como a própria VaneZa disse no post dela: “Ainda não está fedendo o suficiente.”

Para mim o circo está pegando fogo e eu estou gostando disso! Sabe, quanto mais as pessoas se preocuparem com o tipo de informação que querem expor por aqui, menos “ lixo” terá. Não é segregar, excluir ou discriminar certos assuntos e/ou blogs, cada um seleciona o que lhe apetece melhor. Porém, sem generalizar, é cada sem noção armando banca e outros comprando “gato por lebre” que dá é raiva.

Bem que você disse que estava preparando um texto a respeito... Obrigada por citar meu post também. Concordo e assino embaixo!

Beijos, Seerig.

Luna Sanchez disse...

Nem vou falar muito porque, claro, concordo contigo. Logo que comecei, Ana, esses comentários iguais, colados, que deixavam claro que a pessoa não leu o texto me irritavam mais. Hoje já não ligo. E não estou falando em quantidade de linhas, fique claro, porque se pode dizer muito em apenas uma palavra.

Um beijo grande.

Cinderela Descaída disse...

Bom eu li, então comento.
Vou expor a minha opinião, embasada em que já li por aí. Dizem que todo o Homem (mulher) deve escrever um livro, ter um filho e plantar uma árvore. Não concordo, mas é um ditadinho que fica lá impregnado na cabeça das pessoas.
Plantar uma árvore e ter um filho é até fácil. Escrever, é que são elas!
A blogosfera permite às pessoas dar asas a este devaneio: sei escrever, tenho o que falar e, muitas vezes, a capacidade das pessoas não vai além do desabafo, do reportar problemas pessoais. Isso não é uma crítica, é um fato. Nem todos nasceram para serem poetas, cronistas ou contistas. Para isso, é preciso trabalhar, estudar.
Enfim. Gostei do teu texto. Tenho que correr para preparar o almoço da família. Volto mais tarde.
Quem me indicou teu blog foi a VAnezza (a BAlzaca)

Rebeca Postigo disse...

Estou cansada de ler em tantos blogs textos vazios...
Sabe...
Escrever é algo bom, mas devemos colocar na escrita nossas opiniões...
Sejam elas intrínsecas ou extrínsecas...
Vamos produzir conteúdo...
Não apenas amontoado de palavras sem sentido...
Cansei de receber comentários vazios...
Assino embaixo do que escreveste...

Bjs

Juliana disse...

Também me entristeço por isso vez em quando, e esse foi um dos motivos que me fizeram ficar fora da blogsfera por quase 1 ano. Mas, daí decidi voltar, tem razão em dizer que o ser humano chegou a blogsfera com todos os seus defeitos, mas eu descobri que como aqui no mundo real, existem excessões, como por exemplo, A Bárbara Farias, que você citou também, pessoas que lêem realmente o que você escreve, que se preocupa com você e que se lembra de fatos que muitas vezes pessoas que estão ao seu lado nem se quer tem uma lembrança. E é por essas excessões, que eu voltei a blogar!

Beijos.

Bittencourt disse...

Minha querida Aninha! Como você pode ter percebido, estou meio lento pra comentar as postagens alheias ultimamente. Saudades das férias!

Então... acho que a gente devia atribuir esse fenômeno recente ao acesso de mais e mais gente à blogosfera, não acha? Sem querer parecer preconceituoso, nem nada, mas o fato de existir mais pessoas usando as diversas ferramentas faz com que boas e más ideias se proliferem em igual proporção, não acha? Afinal de contas, os blogs mais antigos e com público mais fiel estão por aí ainda. E outros blogs bons e criativos andam criando espaço também. Já ouvi de você mesma (e você reitera no texto) que a blogosfera acaba sendo um espaço no qual a gente conhece pessoas diferentes, que não conheceríamos no cotidiano.

Acho que é como acontece com as redes sociais... quando brasileiro conhece, aí é que a bagunça está feita! Mas assim, eu discordo um pouco (só um pouco) quando você diz que a blogosfera morreu. O jeito em que a gente conheceu ela certamente não volta mais. O que vem pela frente vai exigir que filtremos melhor o que consumimos, eu diria. Mas é sempre bom uma mídia em que aquele que produz fala diretamente com seu público. Mas veremos o que vem por aí, quem sabe você está certa.

Natália Corrêa disse...

Sabe, concordo em parte. Na verdade sempre existiram os blogs só de lamúrias e as pessoas que só querem comentários. Na verdade, assim que fiz meu primeiro blog, há quatro anos atrás, eu deixei meus comentários fechados justamento por isso. Porque eu poderia mandar o link do que eu escrevi sem que as pessoas pensassem que eu só queria que elas comentassem. Depois de um tempo, me pediram pra abrir os comentários porque - depois de me ler durante tanto tempo - era justo que pudessem dar pelo menos uma opinião. Acatei ao pedido e abri os comentários. Desde então, tenho recebido comentários sensacionais, que fazem valer a pena ter escrito aquilo, bem como comentários totalmente sem noção. É preciso filtrar. Da mesma forma, não acompanho o blog de todo mundo que visita o meu. Tem gente que é legal, mas cuja escrita não me seduz. Leio o que gosto, por isso meus comentários são sinceros. E acho que muitos dos coemntários "não-sinceros" vem da obrigação de retribuir visitas. Isso não existe. Leitura não é um favor, é um prazer e...
Me perdi no que eu tava dizendo. Deixa pra lá haha.
De qualquer forma, seu texto está muito bom! :)