domingo, 26 de junho de 2011

Olha a faceirice da guria!

Fazia um bom tempo que eu não me animava assim... Começo até a desconfiar do meu nível mental... Quer dizer, depois de feriados ensolarados e com algum descanso, nenhum desse semestre me deixou tão alegre como o que hoje termina.
Não, o Sol praticamente não deu as caras. Umidade é tudo que se vê pela janela. Do começo ao fim do dia. No momento, a estação meteorológica da RBS em Caxias diz que a temperatura é 4,4°C e a sensação térmica de 0,9°C. Sério?
Tinha me prometido não reclamar do frio até que chegasse o inverno e, bem, agora que ele começou oficialmente, não vejo razão alguma pra reclamar. Minha única reclamação nesse instante é o fato de minhas mãos parecerem congeladas, mas no mais está tudo ótimo.
O que fiz nesse feriado? Preparei as aulas da semana (no fim do estágio, consegui tal façanha) e li, li, li. Talvez essa seja uma das boas razões da minha alegria. Fazia um bom tempo que eu não passava horas lendo e lendo. Na falta de uma lareira acesa, com uma mesa, baralho e companhia pra jogar; a melhor forma de se aproveitar esse clima adorável de Caxias do Sul é enrolar-se numa coberta e ler, ler e ler. É, pode ser isso.
Também posso suspeitar da minha adorável conversa dramática com a Ferro no meio da quinta-feira: uma se lamenta disso, a outra daquilo. Foi interessante, especialmente pra minha pessoa, que dificilmente faz dessas. Então, pode ser que um pouco de drama tenha me feito bem, facilitando com que eu o esquecesse em seguida.
Ou quem sabe é mesmo uma influência musical. Ouvir Rooney costuma me animar. Mas sem dúvida meu surto maior esse feriadão foi descobrir e ficar vendo todos os divertidos clipes de Die Prinzen, além do DVD deles pelo qual paguei uma boa nota e não canso de ver. Eu fico feliz que o Hércules ande meio surdo, afinal me ver saltitante por aí deve ser meio assustador, imagina se ele ouvisse minhas tentativas de cantar em alemão... Pobre alma!
É, pode ser isso. Ficar quieta num canto, sem ninguém atormentar, sem ter que fazer isso ou aquilo, cumprir horários de refeições (er... eu não sou, humm, um ser que se prende muito à alimentação), poder ficar sem fazer nada ou correr de cá pra lá... É, talvez esquecer um pouco as preocupações tenha contado...
Seja pela razão que for, a questão é que estou estranhamente faceira hoje. Cá estava ouvindo Los Hermanos e, de súbito, tive vontade de digitar linhas e linhas com meus dedos congelados pra falar da minha alegria sem sentido. Melhor fazê-lo agora, antes que o futebol comece e sabe-se lá no que transforme meu bom humor (mas continuo a negar fanatismo, certo?).
Post absolutamente sem sentido. Toscamente sem sentido. Divertidamente sem sentido. Mas azar, não busco sentido algum no momento.

Opa, a sensação térmica aumentou pra 1,6°C. Pra mim continua na mesma...

3 comentários:

Erica Ferro disse...

Baaaah, como a guria tá faceira!
É, a conversa de quinta foi dramática, sofrida e quase chorosa. Mas que bom que tanto você como eu superamos as nossas preocupações e lamúrias.

Velho, eu já disse, mas assim... É IMPOSSÍVEL não repetir que vocês gaúchos são seres de outro planeta!
Como BIXIGA PRETA vocês conseguem sobreviver num frio polar desses?
Eis um mistério que talvez eu nunca desvendarei.

Um abraço!

Luna Sanchez disse...

Bom, eu adoro papos dramáticos, boa leitura e principalmente o frio, portanto vejo várias razões para a alegria estampada, Ana.

Claro que sempre pode ser melhor, tipo companhia debaixo da coberta mas isso o tempo providencia...rs

Beijo.

Allyne Araújo disse...

xiiii, mais alguem a entrar na lista daqueles que nao doarao sangue no meio do ano... brigou tanto comigo da "ultima" vez q conversamos por causa do meu mau habito de nao comer nada, que agora faz d mesmo jeito!!! olha olha a anemia!!! nem pensar!!! pode voltar aos horarios forçados!
e como vc bem sabe o que vou lhes dizer nao é surpressa: pra mim, esse texto ta 10! e se quer saber o por que digo-te depois! bjo