quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Hallo, September + Uma boa teoria

E começa setembro. Ao que parece todo mundo está inspirado com isso, sabe-se lá porquê. Os mais antigos do interior da serra gaúcha dizem que, se sobreviveu-se a agosto, não se morre mais esse ano. Provavelmente em razão do inverno meigo que se abate por essas bandas.
Mas cá no Rio Grande do Sul o mês de setembro é especial. Não, não me venha com essa de "20 de setembro - dia do gaúcho". Nada disso. Vinte de setembro é feriado Farroupilha. Setembro tem a semana Farroupilha. Afinal, quais outros estados lutaram 10 anos contra o resto do país? Sim, é disso que temos orgulho por aqui.
Antes que me batam ou me chamem de bairrista, esperando até dia 20 conseguir fazer um post decente sobre tal data e seu significado histórico, paro aqui e anuncio que este mês será exclusivo com posts gaúchos: músicas, músicos, personalidades, livros e etc. e tal. Por quê? Porque, por alguma razão, o povo da blogosfera acha que sou uma boa gaúcha e até um exemplo. Já tentei desenganar, mas foi inútil, então é melhor dar uma razão pra isso. E, conforme meu pobre vocabulário permitir, farei alguma amostra do "gauchês" por aqui. Bueno?
Então, pra começar bem a semana, nada melhor que uma buena e interessante linha de raciocínio, além de curiosa:

O alemão e o delegado

Delegado de polícia, conhecia a profissão, pra ele não existia um caso sem solução. Até que um certo dia na delegacia entrou um alemão bem nervoso que desse jeito falou:
- Eu vim fazer um queixa. Acabo de ser roubado, só quem pode me ajudar é o senhor, seu delegado. Enquanto eu trabalhava, veja que um tipo qualquer, entrou lá no meu casa e roubou o meu mulher.
O delegado sorriu e desse jeito respondeu:
- Parece até uma piada todo esse problema seu. O senhor deve ser louco, nunca vi ninguém mais bobo, quando que roubar mulher foi considerado roubo?
- Opa, opa. Parali uma vez. Espere aí, seu doutor. É melhor olhar direito nesses livros do senhor, pois como pode entender porque motiveraçón quem roubou o meu mulher não possa ir pra prisón.
O delegado disse assim:
- Vou explicar a verdade. Saiba que sua mulher não é sua propriedade. Veja se entende bem essa minha explicação: quem roubou sua mulher pra lei não é um ladrão.
- Opa, opa, já pode parar de novo, me responda seu doutor: de quem é esse relógio aí no pulso do senhor? É um relógio bonito, muito dinheiro valeu, como é que o senhor me prova que esse relógio é seu?
O delegado irritado, já saindo do normal, disse:
- O relógio é meu, tenho aqui nota fiscal.
- Hahaha, bichón. Muito bem, seu delegado, o senhor chegou no ponto que eu queria ter chegado. Eu tenho junto comigo certidón de casamento, vale mais que essa nota, é um grande documento, assinada pelo juíz, com a benção do vigário, com diversas testemunhas e registrado em cartório, aonde o meu mulher jurou comigo ficar até o dia em que a morte viesse nos separar, mas como eu não morri e nem ela está morta, se vire seu delegado, que eu quero ela de volta!

Boa, hein? Melhor ainda é ver a versão original. Não, não é um texto, é uma música. Transcrevi em texto pra fingir que era algo sério. Enfim, a música é d'Os Três Xirús, cujo maior sucesso foi, sem dúvida, Vaquinha Preta (a qual, inclusive, dei pros meus alunos e, se na hora acharam difícil falar com o sotaque alemón e riam quando eu falava assim, hoje eles adoram a música). Não há gaúcho que não tenha cantado "Nós temos lá em casa uma vaquinha preta, fora de série, tem cinco tetas", mesmo sem saber de onde veio isso. Demorei um tempo pra descobrir a música. Tá, pode ser que existam gaúchos que não conheçam, mas certamente não são gaúchos do campo.
Mas estávamos falando do alemón e o delegoda, então vamos ao vídeo esplendoroso e que é uma relíquia (Glórias ao programa "Galpão Crioulo" e a quem colocou no YouTube). Eis os anos 80 tradicionalista gaúcho (aumentem o som que o do vídeo é baixo):



Confessa ai, gostou, hein?

4 comentários:

Anderson Kravczyk disse...

Mas olha só tchê, até q enfim uma postagem das mais buenacha e bagualuda! De tão afudê q até prendeu minha atenção, e olha q eu não gosto da maioria dos teus posts =D.
Esse tá muito tri, tchê!

Antes de morrer, tu tens q escrever um livro sobre música, ou vários, se não te mato!! talento e vocação tu tem pra isso o/

Abraço quebra-costela

Luna Sanchez disse...

Eu sou bairrista assumida, adoro esse nosso lugar e amei a tua ideia de fazer um mês dedicado às coisas daqui, Ana!

\o/

Vou assistir o vídeo.

Um beijo.

Pandora disse...

kkk Eu tou rindo do pobre homem, a lógica dele é meio machista, mas ele gosta da mulher fazer o que?! rsrs... Vou adorar esse mê sno teu blog, e sim, barrismo demais é ignorancia, mas bairrismo nenhum é falta de amor próprio!!! Também sou pernambucana com orgulho e admiro quem tem orgulho de ser o que é!

Cheros Ana e vamos conhecer o Sul!!!

Dayane Pereira disse...

Historinha divertida! Eu não conheço as tradições gauchas, as músicas e nada.. =( confesso.
mas é um lugar que eu quero mt conhecer um dia!